A pensar sobre os relacionamentos descartáveis

Hoje mais que um desabafo eu trago uma reflexão que pode servir para todos nós enquanto companheiros, filhos, irmãos ou amigos de alguém. A cada dia nossa sociedade moderna está cada vez mais incorporada nos relacionamentos que se estendem também pela internet. E tudo me intriga muito mas nada se compara ao meu espanto em como as pessoas “criam” mais coragem para dizer tudo pela internet ou através de um celular mas não conseguem se aprofundar em uma conversa pessoalmente. É sério… nada tem me desanimado mais que isso!

Vemos todos os dias em qualquer página uma enxurrada de comentários preconceituosos, sem amor ou compaixão. Ninguém se coloca no lugar do outro? Não existe empatia? Não existe compaixão ou respeito? Infelizmente não são casos isolados e hoje se você responde a pessoa e diz que ela talvez não tenha sido muito agradável você recebe um bloqueio como resposta. Será que estamos sendo adultos o suficiente para fazer o certo ou será que estamos caminhando como crianças de 5 anos? Será que deixar de encarar a verdade e apenas bloquear o outro em uma rede social é uma saída razoável? Cadê o amor ao próximo? Cadê o respeito pelo outro?

É possível construir um relacionamento com bases tão descartáveis? É possível confiar e desenvolver uma amizade com alguém que te bloqueia quando algo não o agrada? É razoável descartar alguém quando um problema surge? Se você fosse um bebê hoje, você acharia razoável sua mãe te abandonar quando sua fralda estivesse suja? Lógico que não, não é mesmo? E mesmo depois de inúmeras fraldas ela te ama ainda hoje, independente de onde ela estiver e você a ama por todo o amor e cuidados que ela estendeu a você durante todos esses anos. Porque não estender todo esse amor e respeito pelas outras pessoas? Porque um amigo deve ser bloqueado quando você não tem tempo suficiente para vê-lo? Porque um relacionamento de anos acaba quando os problemas surgem? Só existia amor enquanto tinha dinheiro e tempo disponível? Porque um irmão bloqueia o outro quando a conversa vai para um rumo não muito agradável?

Eu sinceramente penso em tudo isso e só consigo ficar cada vez mais descrente. Quando vamos nos olhar nos olhos novamente? Quando vamos reconhecer que o outro é ou foi importante em nossas vidas? Quando vamos ter compaixão pelo próximo? E não digo pelo próximo como alguém desconhecido, digo o próximo que está dividindo uma vida conosco, como um familiar, um parente, um amigo (a), um namorado (a) ou um marido (esposa).

Eu não quero acreditar que o futuro da humanidade será assim com relações tão levianas. Eu não quero acreditar que chegamos a esse ponto de total descrença, de desamor e falta de empatia pelo próximo.

Eu não quero acreditar que todos compartilham campanhas de adoção de animais mas que tratam seus próximos como pratos descartáveis. Porque queremos que os animais não sejam mal tratados mas mal tratamos os outros? Eu não entendo… não consigo entender!

Eu não quero acreditar que seja o fim e que nada valeu a pena…

Acho que precisamos pensar sobre tudo isso. E precisamos pensar já! Vamos ter mais amor e menos desprezo e orgulho. Vamos cuidar melhor de nós mesmos e dos que nos cercam. Uma vida sem amor não vale a pena ser vivida!

 

 



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *