Enfim 30…

Iniciei esse texto assim que completei 29 anos e você vai perceber que foi difícil concluir já que estou postando o texto 1 ano depois. A verdade é que assim como todos dizem, realmente essa época é realmente confusa. Pode parecer inadequado mas acho que me senti de fato tornando-me adulta, já que na faixa dos 30 anos já não dá mais para adiar decisões sobre o futuro seja financeiro, profissional, amoroso ou qualquer outro aspecto que uma vida adulta possa merecer ou desejar.

Você pode adiar sua vida profissional por anos mas chegará um momento em que fingir gostar ou não de alguma atividade pode sim não ser mais tão convincente até a vocês mesmo.  Você pode adiar o conhecimento e planejamento da sua vida alimentar mas chegará um momento em que você vai sim reconhecer que sua saúde é mais importante que qualquer outra situação. Você pode ficar com várias pessoas, discriminar seus sentimentos e ferir várias outras pessoas, mas também chegará um momento em que sentirá necessidade de criar laços verdadeiros. Você pode estar rodeado por amigos mas chegará uma hora em que você reconhecerá aqueles que realmente se importam, vai estabelecer prioridades e vai perder laços.

Tudo que você pode ter lido sobre a crise dos 30 realmente é verdade e vai ser diferente para cada um, mas a boa notícia é que todos sobrevivem e muitos estabelecem prioridades de vida após essa fase. Nos últimos meses eu estabeleci diversas prioridades, e em alguns assuntos ainda estou refletindo e buscando formas de caminhar. Acho que essa fase é mais de reflexão do que qualquer outra coisa.

Reafirmar aquilo que desejamos para nosso futuro muitas vezes requer coragem e sabedoria. Lógico que não dá para ter certeza que tudo dará certo, mas saber qual rumo tomar ajuda muito a chegar a algum lugar.

Nos últimos meses (talvez anos), reafirmei amizades, perdi laços importantes, melhorei minha alimentação e vi resultados, escolhi novas formas para melhorar minha vida financeira, reafirmei minhas opiniões sobre consumo e até encontrei um novo gosto profissional que me levou a acreditar em outras possibilidades para o futuro.

Como disse cada um vai manifestar essa fase de alguma forma, talvez esse momento não chegue a todos aos 30 anos, pode ser um pouco antes ou um pouco depois. Mas é certo que todos passam por um momento difícil de decisão que envolve o que buscar no futuro. Esse amadurecimento me foi tão importante até mesmo por concluir na decisão de continuar aqui no blog, fazendo o que eu realmente gosto.

É impossível prever como será a próxima década, mas acredito que trabalho e a busca por uma vida mais saudável deve me guiar nos próximos anos. Mas como saber se dará certo? Nunca saberemos mas enquanto isso seguirei firme em meus propósitos.

Mesmo não gostando de comemorar essa data eu sou grata por todas as oportunidades que me surgiram até o momento, e desejo que esse novo ciclo seja repleto de saúde, amor, e momentos bons.

Retrospectiva 2016 e Metas para 2017

O ano de 2016 foi mesmo de muitas mudanças principalmente aqui no Momento de Cuidar. Estamos completando 7 anos, dá para acreditar? Pois é, dia 30 de dezembro de 2009 estava escrevendo meu primeiro post e de lá para cá descobri um hobby que ainda sou apaixonada. De fato deixei ele de lado em muitos momentos e sempre retornei prometendo levar mais a sério mas a verdade é que ainda assim, sempre que tenho a oportunidade estou por aqui.

Esse ano, considerando minha vida pessoal, foi bastante intensa e em muitos casos acabei me conectando mais com minha saúde e cuidados pessoais. Sempre fui cuidadosa mas existem fatores que acontecem em nossas vidas que nos fazem pensar melhor sobre a vida que estamos levando e através disso acabamos estabelecendo outras prioridades. Assim foi meu 2016, comecei o ano fazendo exames de rotina, descobri situações desagradáveis que me fizeram passar metade do ano em pequenos tratamentos. Sofri perdas em vários sentidos, busquei me reconectar comigo mesmo durante meses e hoje estou aqui reafirmando planos de realizar pequenos sonhos.

Sei que o ano não foi fácil para muitos de nós, mas é importante tirar uma lição de cada acontecimento. Não basta desejar, é preciso ter disposição para sair do lugar e dar o primeiro passo. É preciso ter amor e compaixão pelo próximo, é preciso buscar conhecimento, é preciso ter empatia, é preciso ter respeito para que 2017 seja mais amigável e talvez mais prospero também em oportunidades.

E se você quiser ver grandes mudanças em sua vida em 2017, comece mudando sua relação com seu corpo e sua alimentação, foi assim que iniciou meu 2016, mesmo que forçada acabei mudando muito minha forma de ver as coisas (em todos os aspectos). É incrível como tantas coisas podem acontecer em um ano.

E é isso, desejo que você seja feliz, pense mais em você, em seu corpo, em sua alimentação, tenha muito amor e respeito a você mesmo e ao próximo. Obrigada por nos acompanhar durante todo esse ano!

Feliz Ano Novo!!!

 

 



A pensar sobre os relacionamentos descartáveis

Hoje mais que um desabafo eu trago uma reflexão que pode servir para todos nós enquanto companheiros, filhos, irmãos ou amigos de alguém. A cada dia nossa sociedade moderna está cada vez mais incorporada nos relacionamentos que se estendem também pela internet. E tudo me intriga muito mas nada se compara ao meu espanto em como as pessoas “criam” mais coragem para dizer tudo pela internet ou através de um celular mas não conseguem se aprofundar em uma conversa pessoalmente. É sério… nada tem me desanimado mais que isso!

Vemos todos os dias em qualquer página uma enxurrada de comentários preconceituosos, sem amor ou compaixão. Ninguém se coloca no lugar do outro? Não existe empatia? Não existe compaixão ou respeito? Infelizmente não são casos isolados e hoje se você responde a pessoa e diz que ela talvez não tenha sido muito agradável você recebe um bloqueio como resposta. Será que estamos sendo adultos o suficiente para fazer o certo ou será que estamos caminhando como crianças de 5 anos? Será que deixar de encarar a verdade e apenas bloquear o outro em uma rede social é uma saída razoável? Cadê o amor ao próximo? Cadê o respeito pelo outro?

É possível construir um relacionamento com bases tão descartáveis? É possível confiar e desenvolver uma amizade com alguém que te bloqueia quando algo não o agrada? É razoável descartar alguém quando um problema surge? Se você fosse um bebê hoje, você acharia razoável sua mãe te abandonar quando sua fralda estivesse suja? Lógico que não, não é mesmo? E mesmo depois de inúmeras fraldas ela te ama ainda hoje, independente de onde ela estiver e você a ama por todo o amor e cuidados que ela estendeu a você durante todos esses anos. Porque não estender todo esse amor e respeito pelas outras pessoas? Porque um amigo deve ser bloqueado quando você não tem tempo suficiente para vê-lo? Porque um relacionamento de anos acaba quando os problemas surgem? Só existia amor enquanto tinha dinheiro e tempo disponível? Porque um irmão bloqueia o outro quando a conversa vai para um rumo não muito agradável?

Eu sinceramente penso em tudo isso e só consigo ficar cada vez mais descrente. Quando vamos nos olhar nos olhos novamente? Quando vamos reconhecer que o outro é ou foi importante em nossas vidas? Quando vamos ter compaixão pelo próximo? E não digo pelo próximo como alguém desconhecido, digo o próximo que está dividindo uma vida conosco, como um familiar, um parente, um amigo (a), um namorado (a) ou um marido (esposa).

Eu não quero acreditar que o futuro da humanidade será assim com relações tão levianas. Eu não quero acreditar que chegamos a esse ponto de total descrença, de desamor e falta de empatia pelo próximo.

Eu não quero acreditar que todos compartilham campanhas de adoção de animais mas que tratam seus próximos como pratos descartáveis. Porque queremos que os animais não sejam mal tratados mas mal tratamos os outros? Eu não entendo… não consigo entender!

Eu não quero acreditar que seja o fim e que nada valeu a pena…

Acho que precisamos pensar sobre tudo isso. E precisamos pensar já! Vamos ter mais amor e menos desprezo e orgulho. Vamos cuidar melhor de nós mesmos e dos que nos cercam. Uma vida sem amor não vale a pena ser vivida!