A pensar sobre os relacionamentos descartáveis

Hoje mais que um desabafo eu trago uma reflexão que pode servir para todos nós enquanto companheiros, filhos, irmãos ou amigos de alguém. A cada dia nossa sociedade moderna está cada vez mais incorporada nos relacionamentos que se estendem também pela internet. E tudo me intriga muito mas nada se compara ao meu espanto em como as pessoas “criam” mais coragem para dizer tudo pela internet ou através de um celular mas não conseguem se aprofundar em uma conversa pessoalmente. É sério… nada tem me desanimado mais que isso!

Vemos todos os dias em qualquer página uma enxurrada de comentários preconceituosos, sem amor ou compaixão. Ninguém se coloca no lugar do outro? Não existe empatia? Não existe compaixão ou respeito? Infelizmente não são casos isolados e hoje se você responde a pessoa e diz que ela talvez não tenha sido muito agradável você recebe um bloqueio como resposta. Será que estamos sendo adultos o suficiente para fazer o certo ou será que estamos caminhando como crianças de 5 anos? Será que deixar de encarar a verdade e apenas bloquear o outro em uma rede social é uma saída razoável? Cadê o amor ao próximo? Cadê o respeito pelo outro?

É possível construir um relacionamento com bases tão descartáveis? É possível confiar e desenvolver uma amizade com alguém que te bloqueia quando algo não o agrada? É razoável descartar alguém quando um problema surge? Se você fosse um bebê hoje, você acharia razoável sua mãe te abandonar quando sua fralda estivesse suja? Lógico que não, não é mesmo? E mesmo depois de inúmeras fraldas ela te ama ainda hoje, independente de onde ela estiver e você a ama por todo o amor e cuidados que ela estendeu a você durante todos esses anos. Porque não estender todo esse amor e respeito pelas outras pessoas? Porque um amigo deve ser bloqueado quando você não tem tempo suficiente para vê-lo? Porque um relacionamento de anos acaba quando os problemas surgem? Só existia amor enquanto tinha dinheiro e tempo disponível? Porque um irmão bloqueia o outro quando a conversa vai para um rumo não muito agradável?

Eu sinceramente penso em tudo isso e só consigo ficar cada vez mais descrente. Quando vamos nos olhar nos olhos novamente? Quando vamos reconhecer que o outro é ou foi importante em nossas vidas? Quando vamos ter compaixão pelo próximo? E não digo pelo próximo como alguém desconhecido, digo o próximo que está dividindo uma vida conosco, como um familiar, um parente, um amigo (a), um namorado (a) ou um marido (esposa).

Eu não quero acreditar que o futuro da humanidade será assim com relações tão levianas. Eu não quero acreditar que chegamos a esse ponto de total descrença, de desamor e falta de empatia pelo próximo.

Eu não quero acreditar que todos compartilham campanhas de adoção de animais mas que tratam seus próximos como pratos descartáveis. Porque queremos que os animais não sejam mal tratados mas mal tratamos os outros? Eu não entendo… não consigo entender!

Eu não quero acreditar que seja o fim e que nada valeu a pena…

Acho que precisamos pensar sobre tudo isso. E precisamos pensar já! Vamos ter mais amor e menos desprezo e orgulho. Vamos cuidar melhor de nós mesmos e dos que nos cercam. Uma vida sem amor não vale a pena ser vivida!

 

 



Vamos mudar de vida?

Estava conversando com uma amiga sobre o despertar da consciência com nosso corpo. E aqui não me refiro somente aos cuidados estéticos ligados a medidas e encaixes que a sociedade insiste em nos impor. Aqui me refiro a necessidade de pensarmos em nós interiormente enquanto um corpo formado por um conjunto de órgãos.

Diariamente pensamos em nós fisicamente, uns querem emagrecer outros optam por cirurgias estéticas com o objetivo de aumentar ou diminuir determinada parte do corpo, gastamos muito com cosméticos mas não nos lembramos de cuidar de nossa saúde e bem estar.

Não fazemos exames de rotina, não cuidamos de nossa alimentação e não é raro pensarmos em uma dieta mirabolante com o objetivo de emagrecer para determinada data. Hora uns querem emagrecer para vestir algo para uma festa, hora para se casarem e em outros momentos apenas para saírem “bonitos” em alguma fotografia de um determinado momento principalmente no verão quando todos usam roupas menores e mais justas.

Em geral essas pessoas não pensam de forma positiva com o objetivo de adotar um novo estilo de vida e acabam reclamando quando retornam ao peso ou ao problema de saúde original. É preciso estarmos atentos para o nosso bem estar precisamos pensar melhor na forma como vivemos, na necessidade de praticarmos atividade física, na nossa alimentação e até nas atividades que utilizamos para desestressar como hobbys.

Diariamente encontramos uma infinidade de informações como receitas, dietas e atividades físicas que estão a nossa disposição seja na internet, televisão, revistas ou grupos em redes sociais, são diversas possibilidades que podem nos auxiliar nessa jornada. Pensem nesse despertar. O que posso fazer para cuidar melhor do meu corpo? Vamos começar a fazer nossos exames de rotina? Vamos olhar nossa alimentação como opção de vida ao invés de tentar seguir dietas mirabolantes? Vamos buscar atividades físicas que nos agradem? Acredito que essa busca é muito importante pois nem todos gostam de academias ou de alguns esportes.

Vamos buscar uma vida melhor e todas as mudanças vão refletir no nosso exterior. É incrível a diferença na pele, cabelo, noite de sono e disposição que uma vida mais saudável pode nos proporcionar. Pense nisso, é melhor começar o quanto antes ao invés de correr atrás do prejuízo buscando uma solução de última hora quando um problema aparecer. Vamos juntos mudar de vida? Pense nisso…




A vida é um sopro

Haverá dias felizes com aqueles que amamos, haverá dias tristes e haverá dias em que não sentiremos nada, nem alegria e nem tristeza. Apenas dias de sobrevivência, dias em que as costas estarão grossas por carregar as dificuldades, as injustiças e toda forma de solidão. Dias como hoje, amanhã e assim como foi ontem. Dias que são resultados de vivências inesperadas, de amores perdidos e situações inexplicadas. Pois é, a vida é um sopro e precisamos refletir se estamos satisfeitos com a vida que estamos levando.

Todos os dias coisas inesperadas acontecem, pessoas nascem e outras falecem e principalmente nesses momentos tristes sempre pensamos nos rumos que nossas vidas estão tomando. Estamos felizes? Estamos fazendo aquilo que gostamos? Estamos rodeados por aqueles que amamos? Deveríamos consertar algo que fizemos que poderia ser considerado como errado? Todos nós passamos por isso.

Esse último mês tem sido bastante difícil para mim, tantas coisas tem me passado pela cabeça e tenho percebido como as pessoas valorizam a ideia de que precisamos fazer aquilo que gostamos para que a vida tenha mais sentido. E ao mesmo tempo tenho percebido como tantas pessoas não se importam com as outras e como tudo pode ser descartado a qualquer momento por motivos banais.

A impressão que dá é que quase tudo que me dediquei nos últimos anos não fizeram sentido algum, que tudo não passou de uma perda de tempo ou uma ilusão. E o pior sentimento é perceber que aqueles que se “aproveitaram” de todos os momentos não valorizaram nada que era importante para mim. Sim, somos descartados quando aquilo que “produzimos” não interessa mais ao “consumidor”, como dizem muitos por ai “entendedores, entenderão”.

E talvez já no ritmo dos quase 30, algumas coisas mudaram e outras vão mudar ainda mais principalmente diante dos últimos acontecimentos dessa semana que me deixou bastante triste. Sei que em nossas vidas algumas coisas são inevitáveis, mas também tenho consciência que temos o poder de lutar e mudar outras situações que estão ao nosso alcance.

Hoje uma pessoa muito especial para mim estaria fazendo aniversário. Uma pessoa incrível que me deu tantos bons conselhos e tenho certeza que nesse momento ela me daria conselhos bastante parecidos com os pensamentos que tenho nesse momento. Ela me lembraria que a vida é passageira, que precisamos lutar pelos nossos sonhos e que precisamos estar rodeados de pessoas que querem nosso bem e que acima de tudo que querem ter nossa companhia. Me lembraria ainda que é preciso ajudar ao próximo principalmente quando o outro deseja ser ajudado e acima de tudo que é preciso ter fé, fé na vida, fé em nos mesmos e fé de que somos capazes de lutar pelos nossos sonhos.

Talvez não seja o fim do mundo, mas com certeza é o fim de uma longa fase que me fez tão feliz e que me faz tanta falta. Agora continuo a vida com novos planos e sonhos. O momento é de cuidar do hoje, do amanhã e do futuro!